Tapetes brilham na décor 2018

Por: Renata Mello

DSCN5790

Foto: Renata Mello, 2018 – Vitrine da loja Botteh Handmade Rugs

Você sabia que um dos destaques da semana do Design em Milão foi o uso de tapetes nas paredes? Sim, eles voltaram fortemente para abrilhantar na decoração residencial, variando em cores, texturas e formas.

Para demonstrar essa tendência na prática, a loja Botteh convidou a arquiteta Marília Pellegrini que em parceria com o designer Edson Nunes ambientaram a vitrine desta temporada. O espaço foi concebido com tapetes produzidos manualmente no Nepal e na Índia, contextualizados com móveis e peças nacionais, confecionados com fibras naturais extraídas da bananeira e do tucum.

Na foto acima, é possível conferir o resultado final desta composição que orquestra várias peças artesanais que trazem a este cenário: força, história e identidade. Vale a pena conferir!

Anúncios

Em foco: Beatriz Milhazes

Por: Renata Mello

20180502_161024

Foto: Renata Mello, 2018 – Extraída da capa do DVD “Arquitetura da Cor: Beatriz Milhazes

Beatriz Milhazes, artista brasileira de destaque internacional, possui uma obra muito consistente. Ao longo de sua trajetória profissional, desenvolve trabalhos com resultados plásticos inconfundíveis, a partir de composições formais sobrepostas e cores marcantes.

Suas pinturas abstratas resultam de uma mescla de referenciais. Suas fontes de inspiração estão pautadas principalmente nas belezas naturais, na cultura popular brasileira, com grande destaque ao carnaval carioca e produções de grandes artistas como Mondrian e Matisse.

Durante o processo de composição cromática e formal de suas obras, Beatriz atua como um regente que comanda sua orquestra, como resultado entrega aos espectadores obras que esbanjam cores e que produzem um efeito visual que aguça os sentidos. Sem dúvida, uma artista singular!

Para conhecer mais sobre sua biografia e produções, recomenda-se assistir ao documentário “Arquitetura da Cor: Beatriz Milhazes” disponível em algumas livrarias. Esta obra cinematográfica explicita seu processo criativo e apresenta também o ateliê da artista. Vale a pena conferir!

Gustavo Rosa: Instituto

Por: Renata Mello

O artista plástico Gustavo Rosa, conhecido por seu valoroso trabalho no contexto da arte brasileira devido as composições cromáticas vibrantes, ineditismo na forma humorada e irreverente de expressar personagens e temas do cotidiano, faleceu em 2013.

Para perpetuar suas obras e sua memória, os familiares decidiram criar em 2016, um Instituto que leva o seu nome. A sede localizada no Jardim Paulista, abriga a antiga residência-ateliê do artista. 

O ambiente dialoga diretamente com as produções de Gustavo, apresentando um clima leve, alegre e descontraído. Ao longo da visitação é possível conhecer as diversas fases produtivas do artista através de suas pinturas e esculturas. 

Para conhecer mais, veja algumas obras selecionadas:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Renata Mello, 2018

O Instituto possui inúmeras ações educativas e sociais para trazer a arte ao grande público, estando aberto de segunda a sexta das 9:00hs às 18:00hs e todo primeiro sábado do mês (11-15h). Vale a pena conferir!

 

Em foco: Paula Clerman

Por: Renata Mello
DSCN5094 a
Foto: Renata Mello, 2018 – Obra de Paula Clerman
A fotógrafa e artista paulistana Paula Clerman é uma profissional que tem captado cenas do cotidiano lisbonense a partir de uma nova óptica. De forma tranquila, ela caminha pela cidade portuguesa com o olhar aguçado, tentando entender as cores, as linhas, as formas e por vezes o caos encontrado nos bairros ricos em história.
Essa investigação espacial da cidade, culminou na exposição Tecitura do Espaço que pode ser conferida na Arte Hall Galeria até dia 27 de Abril. Os trabalhos apresentados resultam de uma abstração compositiva que agrega diversos fragmentos da cidade sem caracterizá-los. Paula reconecta os cenários a partir das suas linhas compositivas e gera algo novo para o expectador. Vale a pena conferir!
+ fotos no instagram: @renatamello.blog

Arquitetura Árabe

Por: Renata Mello

pray-3164527_960_720

Grande Mesquita Sheikh Zayed – Fonte: Pixabay
A Casa Portoro foi o palco da ‘I Conferência de Arquitetura Árabe Contemporânea’ nesta última quarta-feira (14). Nesta ocasião, o arquiteto sírio Hasan Alharek abordou sobre três temas distintos da arquitetura árabe. 
O primeiro enfoque da discussão foi sobre as antigas casas típicas da capital Síria, Damasco. Segundo Hasan, as construções são muito próximas umas das outras, por isso, as residências não são voltadas para o exterior, mas para um pátio central interno, onde fica localizado um fontanário. A função principal desse átrio central é de facilitar a circulação de ar fresco e de permitir a entrada de luz natural, assegurando a salubridade das casas e o conforto térmico das mesmas. Já o interior destas moradias é rico em ornamentos geométricos remetendo a plantas e animais. Esses elementos são utilizados na concepção de qualquer ambiente, aplicados tanto nos pisos quanto nas paredes.
Após esse panorama geral sobre as moradias, o palestrante expôs a respeito das mesquitas islâmicas. Cabe mencionar, que os países árabes possuem três religiões predominantes: o cristianismo, o judaísmo e o islamismo. No entanto, para ilustrar a arquitetura árabe, Hasan escolheu se aprofundar nas tipologias das mesquitas. Para tanto, apresentou o seguinte vídeo:
Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=4ykDTwjY7fs – Acesso em 19.03.2018
Os pontos principais expostos:
  1. Arquitetura islâmica possui ornamentos geométricos e caligrafia árabe nas paredes;
  2. Cúpula como elemento de aproximação com o céu e que permite ampliar verticalmente as construções;
  3. As mesquitas possuem um elemento chamado de Malgaf que serve para conduzir o ar para os ambientes internos e uma torre de vento conhecida como Badgir para direcioná-lo. Desta forma, busca-se uma ventilação natural eficiente nestes edifícios;
  4. Estas construções sagradas também possuem painéis decorativos nas aberturas (Mashrabiya), que filtram a luz e mantêm a privacidade do local;
  5. Outra particularidade das mesquitas é que sempre indicam a direção de Meca, cidade considerada a mais sagrada no mundo para os muçulmanos.
    Por fim, o foco da apresentação se voltou para a arquitetura contemporânea árabe com destaque para algumas construções de Dubai. As formas geométricas permanecem nos interiores, mas de forma mais sutil, como por exemplo, aplicadas em apenas alguns elementos da construção. O uso da tecnologia nos edifícios também é outro denominador comum. 
    Sem dúvida, uma arquitetura rica em história, significado e religiosidade!
Para conhecer mais, vejam os livros:
  • Arquitectura Islámica en Andalucía da editora Taschen – autores: Marianne Barrucand e Achim Bednorz
  • Caligrafia Árabe da Bibliaspa – autor: Moafak Dib Helaihel

CCBB-SP: BASQUIAT

Por: Renata Mello
O artista afro-americano Jean-Michel Basquiat, falecido aos 27 anos, é uma das personalidades de destaque do século XX por suas pinturas. Seu trabalho capta as transformações políticas, sociais e artísticas da sociedade nova iorquina nas décadas de 1970 e 1980 e as representam através de linguagens singulares adotando desenhos figurativos associados muitas vezes a escrita.
Ao observar suas obras é possível encontrar personagens de histórias em quadrinhos, membros do corpo humano extraídos de livros de anatomia, pessoas negras célebres, referências musicais, críticas políticas e religiosas, frases extraídas de livros ou idéias expressas de forma esquemática. Esse mix de associações propostas por Basquiat resultam em obras expressivas e fortemente marcadas por muito simbolismo e crítica.
Os interessados em conhecer as produções deste artista, podem ir ao Centro Cultural Banco do Brasil – São Paulo até 07 de Abril de 2018. Os destaques desta exposição podem ser conferidos a seguir:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Renata Mello, 2018

Artista: Julio Le Parc

Por: Renata Mello
Julio Le Parc, importante artista argentino, neste ano completa 90 anos. Suas produções apresentam diversos tipos de materiais com propriedades translúcidas ou sólidas, associadas ao uso da cor, da luz e do movimento.
Esta mescla de materiais e efeitos, resultam em quadros e instalações que convidam o expectador a interagir e apreender do incrível mundo novo proposto, instigando assim, a criança curiosa guardada no interior de cada um, que se surpreende ao descobrir algo inusitado a cada instante.
Confira alguns registros feitos na exposição “Julio Le Parc: Da forma à ação“, que se encontra no Instituto Tomie Ohtake (SP) até 25 de fevereiro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Renata Mello, 2018