Natureza para o bem-estar: Casa Cor SP

Por: Renata Mello

A Casa Cor São Paulo 2018 abre oficialmente para o público e segue até dia 29 de julho. O desafio lançado aos profissionais desta edição foi de criar ambientes baseados no mote “a casa viva”.

A partir de hoje (22), os visitantes podem se inspirar nos 82 espaços baseados na natureza, com cores e elementos que buscam trazer o equilíbrio entre mente, corpo e espírito, resultando na sensação de completo bem-estar.

As proposições deste ano reforçam a ideia da casa como um refúgio e compactuam com a tendência identificada pela conceituada designer holandesa Li Edelkoort que diz:

 “As pessoas buscam por paz em casa já que não há paz fora dela. Sua casa é onde você consegue se retrair quase como uma fortaleza ou um santuário, para contemplar, acalmar a mente e olhar para objetos lindos”.

Para trazer essa tranquilidade aos ambientes internos alguns escritórios e profissionais de arquitetura como: Paola Ribeiro, Fernando Brandão, Camila Bevilacqua, Marcelo Salum, Andrea Teixeira, Fernanda Negrelli, GDL Arquitetura, Jóia Bergamo, Triplex Arquitetura, Roberto Migotto, MN Arquitetura e interiores, Très Arquitetura, Suíte Arquitetos, entre tantos outros, apostaram no uso da natureza viva associada a elementos em tons de verde e/ou terracota.

Outro recurso amplamente adotado está na utilização de elementos decorativos feitos artesanalmente ou que possuam forte ligação com a história de um lugar ou comunidade.

Cabe destacar ainda que o espaço chave neste processo de relaxamento é o banheiro. Os projetados para a Casa Cor estão integrados aos jardins externos, possuindo vistas harmoniosas e que transmitem paz.

Abaixo confira alguns destaques que entram na atmosfera de promover o bem-estar:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Renata Mello, 2018

+ fotos no Instagram: @renatamello.blog

Anúncios

Design Week de Milão: Tendências

Slide1

Por: Renata Mello

A badalada Design Week de Milão ocorreu entre os dias 17 a 22 de Abril e atraiu  pessoas de todos os continentes que foram fazer negócios, identificar novas tecnologias, trocar experiências e captar as tendências propostas pelos renomados designers e arquitetos. Estes profissionais participaram das inúmeras instalações, dentro do salão do móvel e nos eventos simultâneos espalhados pela capital milanesa.

Para identificar as novidades deste evento, Renata assistiu palestras sobre os destaques de Milão com as jornalistas responsáveis pela edição da revista Casa Claudia, Eliana Sanches e Denise Gustavsen e outra com a arquiteta Marília Pellegrini. Para somar as suas fontes, leu a edição da revista Casa Vogue sobre o evento. 

O que se destaca em todos os discursos é que cada vez mais os ambientes, objetos e acabamentos estão sendo elaborados para proporcionar experiências únicas, através de instalações sensoriais.  

Somado a este cenário, as cores quentes como os vermelhos e os alaranjados foram aplicadas juntas ou associadas aos tons de violeta. Outra combinação predominante foi o terracota com o verde estando em quase todos os lugares. Já o rosê foi considerado a cor neutra do momento. 

Para contrapor com as matizes explosivas, os tons pastéis estiveram presentes em peças com efeito degradê compondo os acabamentos de mobiliários, cortinas e peças de design. 

Esses tons mais serenos também predominaram nos ambientes internos que foram concebidos para estimular paz e quietude ao espírito, convidando as pessoas a momentos de relaxamento em meio ao caos vivenciado em suas rotinas.

Outra tendência que se manteve forte foi a crescente consciência ecológica, a partir do reuso de objetos e materiais. Um forte exemplo esteve presente na 3D Housing 05, casa impressa em 3D, do arquiteto Massimiliano Locatelli, na qual foram utilizados restos de demolição como matéria prima.

Além dos materiais ecológicos, destacou-se também o uso crescente de vidros e espelhos com alta tecnologia e com efeitos plásticos variados que poderão enriquecer ainda mais os ambientes.

Em meio a tantos lançamentos e proposições, mais uma boa notícia: o Brasil se sobressaiu na semana por sua crescente produção no design de qualidade. Um excelente indicador para o mercado nacional. Que siga crescendo e estimulando novas criações!

5 Tendências da Paralela 2018

Por: Renata Mello

A 33ª Paralela, feira voltada aos profissionais da arquitetura, design de interiores e lojistas, ocorreu entre os dias 19 a 21 de fevereiro no Pavilhão da Bienal.

Nesta ocasião, os visitantes puderam conferir as novidades expostas por artesões, designers e empresas com o objetivo de identificar as tendências e realizar novos negócios, movimentando assim, a chamada economia criativa.

Confira as 5 principais tendências identificadas por Renata:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Renata Mello, 2018
Lista dos fornecedores citados:
1. Carol Gay
2. Casa Costillas
3. Coletivo D +: contatocoletivoD@gmail.com
4. Cristais Cá D`Oro
5. Divinités: divinites-2@uol.com.br
6. Edson Nunes: edson@designbyedsonnunes.com.br
7. Estúdio Luis Guimarães
8. Estúdio Paulo Alves
9. Estúdio Tiago Curioni
10. Filipe Ramos Design
11. Glass 11: contato@glass11.com.br
12. Leonardo Bueno Art & Design
13. Linha Bloom
14. Mel Furniture
15. Ocre Estúdio de Design
16. Plástico Bolha Store
17. Studio Lopomo
18. Studio Massa
19. Traço
20. Vivacità Design: vivacitadesign@hotmail.com

Fluxonomia 4D: Uma ferramenta de futuro

Por: Renata Mello

stickies-2771786_960_720

Fonte: Pixabay

Você já ouviu falar de Fluxonomia 4D?

Datise Biasi, consultora da empresa Crie Futuros, fez esse questionamento durante sua palestra no Unibes Cultural no último dia 16. Ela faz parte de um grupo liderado pela futurista Lala Deheinzelin que auxilia empresas a se conectarem com as mudanças econômicas e novas formas de trabalho através da ‘Fluxonomia 4D’.

Segundo, Datise, a Fluxonomia “é uma ferramenta de gestão e colaboração que combina futuro com novas economias” e está organizado em 4 dimensões, expostas a seguir:

1. Dimensão Cultural (Economia Criativa): Consiste em detectar os conhecimentos existentes, habilidades pessoais, experiências de vida, valores e histórias. Busca-se num primeiro momento, identificar os elementos em potencial para se trabalhar.

2. Dimensão Ambiental (Economia Compartilhada): Mapeia-se nesta fase os recursos naturais, os espaços, os equipamentos. Define-se a infraestrutura necessária para aplicar a fase anterior.

3. Dimensão Social (Economia Colaborativa): Que pessoas poderão se juntar em prol do mesmo trabalho ou ação? Etapa para reconhecer as comunidades, redes sociais e organizações convergentes.

4. Dimensão financeira (Economia Multimoedas): Resultado sobre a aplicação das etapas anteriores, que poderá ser em dinheiro, satisfação ou mesmo em reputação.

Essa ferramenta foi desenvolvida para auxiliar as pessoas e as corporações neste momento de transição, da Era Industrial para a Era da Informação. Uma mudança significativa, em que o capital era obtido por algo tangível e agora passa para o intangível. Novos tempos que exigem outras formas de ação.

Que venham as mudanças!

Para saber mais: Fluxonomia 4D

Nota: As informações desta matéria foram baseadas na palestra proferida por Datise Biasi durante o encontro mensal do MaturiJobs que ocorreu em Novembro no Unibes Cultural/SP.

Palestra: Cores e o futuro

Por: Renata Mello

Slide3

 

‘Já parou para pensar que o futuro está logo ali?’

 

A professora Renata Mello abordará sobre as principais tendências tecnológicas e comportamentais de áreas como medicina, arquitetura, robótica e como essas transformações irão interferir nas cores, nos ambientes e no modo de viver.

Serão 3 horas de pura imersão neste assunto! Participem.

Para inscrições, click aqui!

Cores e Criatividade

Por: Renata Mello

Nesta quarta-feira (2), a empresa Portoro especializada em revestimentos, louças e metais sanitários ofereceu aos arquitetos e designers, a palestra “Cores e Criatividade” com Elisabeth Wey, pesquisadora conhecida por definir bienalmente as cores-tendências brasileiras e por presidir o Comitê Brasileiro de Cores (CECAL). 

O evento também contou com a participação especial do publicitário Paulo Lacerda, que expôs sua expertise sobre o tema da criatividade, após sua permanência na Universidade de Buffalo em Nova Iorque. 

No início destas apresentações, uma indagação!

O que é criatividade para você?

Paulo deixou claro que NÃO significa INVENÇÃO. Criatividade para ele é RESOLVER PROBLEMAS. Para tanto é necessário olhar, perguntar, questionar e duvidar. O arquiteto ou designer precisa inicialmente compreender profundamente seu cliente e definir com clareza o problema. Entre a descoberta do desafio apresentado até o momento “Eureka”, o trabalho deve ser árduo, envolvendo uma profunda imersão, pesquisa, crítica e muita lapidação para que de fato uma ideia se torne um projeto.

Elisabeth ilustrou esse trajeto criativo, contando o processo de elaboração de seu livro “Cores do Brasil”, que começou com uma pergunta aparentemente óbvia, mas difícil de ser respondida: “Quais são as cores do Brasil?”

O primeiro instante foi de incertezas, mas após muitas conversas com profissionais de diversas áreas, chegou-se a conclusão que a atmosfera brasileira é única e que a paleta de cores deveria ser extraída desse recorte. O olhar para a natureza foi essencial para captar os momentos efêmeros do nascer e do entardecer e suas nuances cromáticas.

Como resultado do processo, as matizes encontradas foram tons mesclados. O efeito próprio encontrado pela aquarela. Após chegar nessa conclusão, Elisabeth convidou alguns profissionais para criarem produtos com esta proposta, como é o caso da estampa produzida pela arquiteta Ana Cristina Ávila, que teve seu trabalho exposto no evento. 

Tapete

Arte de Ana Cristina Ávila – Foto: Renata Mello, 2017

Outra novidade revelada neste encontro foi que as cores do Brasil definidas como tendência pela cartela CECAL para 2017 – 2019 já estão disponíveis na Portoro para a pintura de paredes, madeiras e metais. 

Sem dúvida, uma boa notícia para os profissionais que possuem como desafio trabalhar constantemente com a criatividade e que desejam surpreender positivamente seus clientes. “Bora criar”! 

 

Casalille: Tecidos e Papéis de Parede

Por: Renata Mello

A palavra CASA nos remete ao “bem receber”, ao “aconchego” e a “descontração” e foi dentro desse clima que a distribuidora de marcas francesas CASALILLE abriu suas portas no bairro de Pinheiros nesta quarta (31).

1

Foto1: Inauguração Casalille – Renata Mello

A proposta é oferecer para o mercado brasileiro, papéis de parede e tecidos para revestimento, das grifes Casamance, Casadeco, Camengo e Misia, atendendo a variados estilos, desde o mais jovial até ao tradicional e requintado.

Dessa forma, no espaço recém-inaugurado, alguns produtos foram selecionados e expostos como obras de arte ao longo das paredes, convidando os visitantes a conhecerem as diversas cores, texturas e estilos que estas marcas oferecem. Confira alguns destaques:

Foto 2 e 3: Composição de papéis de parede com diferentes tecidos nos estofados  – Renata Mello
Foto 4: Papel de parede – Synopsis – CASAMANCE – Renata Mello
Foto 5: Composição de papel de parede com diferente tecido no estofado  – Renata Mello
Foto 6: Papel de parede – Rêve de Burchell – MISIA – Renata Mello
Foto 7: Composição de papel de parede com diferente tecido no estofado  – Renata Mello
Foto 8: Papel de parede – Rêve de Burchell – MISIA – Renata Mello