Gestão Urbana e Sustentabilidade

Por: Renata Mello

“Gestão Urbana e Sustentabilidade” é a temática do livro organizado por Gilda Collet Bruna e Arlindo Phillip Jr. que será lançado pela editora Manole no próximo dia 13 de Setembro na Universidade Presbiteriana Mackenzie em São Paulo.

Esta publicação contou com a participação de 74 autores, entre eles a arquiteta Renata Lima de Mello que foi responsável pelo capítulo “Cidade para as pessoas: da acessibilidade, do desenho urbano e universal”. Neste trabalho a profissional compilou seus conhecimentos adquiridos ao longo de 18 anos na área da acessibilidade abordando aspectos relevantes para o planejamento urbano.

O lançamento dessa obra acadêmica é aberto a todos os interessados e contará com uma mesa redonda onde os autores apresentarão pontos relevantes do universo da sustentabilidade e gerenciamento das cidades. Vale a pena conferir!

Convite GU&S_2018

Fonte: Editora Manole
Anúncios

Desenho de Cidades Seguras e Acessíveis

Por: Renata Mello

DSCN4078a

Foto: Renata Mello

“Desenho de Cidades Seguras e Acessíveis” foi o tema da palestra proferida por Hannah Machado, coordenadora de Desenho Urbano e Mobilidade da empresa Bloomberg Philanthropies, durante o 1º Seminário de Acessibilidade e Desenho Universal no Contexto Urbano organizado pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo, nesta última terça 19. 

Hannah destaca que a organização onde trabalha promove ações para ampliar a segurança global no trânsito, a fim de reduzir a taxa de 1,25 milhões de mortes registradas anualmente no mundo em decorrência de acidentes nas vias de tráfego de veículos. 

Menciona que a redução de velocidade para 50 km/h imposta aos condutores de veículos automotores já reduziu os índices de acidentes, mas tal ação isolada ainda não resolve significativamente o problema. Um ponto importante de mudança seria o de planejar as cidades com foco nos transeuntes ao invés dos automóveis. Essa premissa coloca o pedestre como prioridade, depois os transportes coletivos, os de carga e por último os carros individuais, conforme ilustração abaixo.

DSCN4023 a
Fonte: Hannah Machado –  imagem extraída da apresentação

Desta forma, para melhorar a segurança das pessoas, seria preciso adotar algumas estratégias de Desenho Urbano, ampliando as calçadas, áreas de espera e encurtando os pontos de travessias. Hanna enumera 12 possibilidades, que seguem:

  1. Travessia de pedestres;
  2. Ilha de refúgio;
  3. Travessia elevada;
  4. Cruzamento elevado;
  5. Extensão do meio fio;
  6. Estreitamento dos raios de conversão;
  7. Lombada;
  8. Almofadas Atenuadoras;
  9. Chicana;
  10. Estreitamento da via;
  11. Reconfiguração de cruzamentos;
  12. Mini rotatória.

Para conhecer com mais profundidade estas opções, baixe os livros: “O Desenho de cidades seguras” ou o “Global street design guide” disponíveis gratuitamente na internet.

Outra boa notícia é que iniciativas de projetos urbanos pensados a partir da priorização dos pedestres, já estão em andamento na capital paulista. O bairro de São Miguel Paulista, por exemplo, está sendo estudado e redesenhado em pontos estratégicos. Serão 18 pontos de intervenção com o intuito de criar uma centralidade mais segura e caminhável. Quiçá seja replicado para outras localidades da cidade. Os cidadãos agradecem!

O que é o Universal Design?

Por: Renata Mello

Atelier Artista (2)

Foto: Renata Mello – 1ª Mostra Casa e Corporativo Acessíveis – 2010

O Universal Design é um conceito que surgiu nos Estados Unidos e se popularizou no Brasil como Desenho Universal. Trata-se de uma forma de conceber os projetos, produtos ou serviços para a maior extensão possível das pessoas, incluindo as variações antropométricas, sensoriais e de compreensão.

Para tanto, os profissionais devem observar sete princípios que servem como norteadores, no desenvolvimento dos seus projetos. Aspectos como: proporcionar igualdade de uso dos espaços e produtos; o de criar opções de acesso ou manuseio respeitando as preferencias e habilidades individuais; o de minimizar o risco de acidentes; o de oferecer mais de uma forma de alerta em áreas que demandam mais atenção; o de ser simples e intuitivo facilitando na utilização de um equipamento ou ambiente; o de proporcionar áreas de aproximação e condições para desempenhar as atividades propostas; e o de assegurar baixo esforço físico.

Na prática, significa por exemplo, criar ambientes inclusivos que atendam a diversidade humana, como é o caso do “atelier do estilista de moda jovem” elaborado pela arquiteta Maria Fernanda Rodrigues para a 1ª Mostra Casa e Corporativo – 2010. O projeto propôs bancada de trabalho ergonômica e mobiliários de apoio que permitiam que uma pessoa sentada em cadeira de rodas ou de escritório, acessasse todas as áreas disponíveis.

Com essa mudança de paradigma, as soluções arquitetônicas, tecnológicas e de design podem proporcionar melhores condições de uso e percepção para uma maior extensão possível de pessoas, beneficiando diretamente aos idosos, crianças, obesos, gestantes e pessoas com deficiência que encontram mais barreiras físicas, porque suas necessidades nem sempre são contempladas.

Curso: Acessibilidade em Espaços Urbanos e Habitacionais a partir do usuário Idoso

Objetivo: Abordar sobre questões teóricas e legais voltadas a acessibilidade, desenho universal e ao idoso aplicadas nos contextos urbanos e habitacionais.

Professora: Renata Mello – arquiteta e professora universitária com 17 anos de experiência em Desenho Universal e Acessibilidade aplicados no ambiente construído.

Público: Arquitetos, Designers, Gerontólogos e demais interessados nessa temática.

6 horas de curso

Datas e horários:

23/09 – 9:30 às 12:30hs (Aula 1: O Idoso e a Cidade)

Conteúdo:

– Conceituação sobre: os idosos; a diversidade humana; a acessibilidade; a mobilidade e o desenho universal;

– Perfil populacional etário mundial e projeções;

– Projeto Cidade Amiga dos Idosos (OMS);

– Cidade Inclusiva e a importância do desenho urbano;

– Legislações e normas técnicas com destaque para a NBR 9050:2015 e Decreto Federal 5296/2004.

30/09 – 14:30 às 17:30hs (Aula 2: O Idoso e a Habitação)

Conteúdo:

– Aspectos conceituais sobre o idoso (fisiológico, psicológico e social);

– Envelhecimento ativo;

– Modalidades habitacionais para os idosos;

– Acidentes domésticos;

– Habitação inclusiva – Conceito e boas práticas;

– Ergonomia;

– Desenho Universal e seus princípios.

Valor do investimento: R$ 224,00*

Local com acessibilidade: Rua: Oscar Freire, 2250 – Sala de Eventos (próximo ao metrô Sumaré)

VAGAS LIMITADAS  

*Valor inclui: 2 aulas expositivas, coffee break e certificado digital.

Inscreva-se: Aqui

Destaques da Reatech 2017

Por: Renata Mello

A Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade, a REATECH, ocorreu nos dias 1 a 4 de Junho no São Paulo Expo, atraindo um público bem diversificado, interessado em conhecer produtos inovadores, que ajudam a vida de pessoas com e sem deficiência.

Quem percorreu o evento, encontrou inúmeras propostas de carros adaptados, opções de barras de apoio, sinalização visual e tátil, impressoras em Braille, teclados e mouses com recursos que facilitam o uso por pessoas com restrição de mobilidade, cadeiras de banho com ajuste de altura e muito mais.

Dentre todos os lançamentos, três foram selecionados pelo quesito de maior inovação. São eles:

1. Lysa: Cão-guia robô

Essa inovação permite que pessoas com deficiência visual possam ser alertadas de obstáculos suspensos que nem sempre são detectados pelo uso da bengala, evitando acidentes. 

1

Foto 1: Lysa Robô-Guia – Renata Mello

2. Fly Children

A cadeira Fly Children foi desenvolvida para crianças entre 1 a 4 anos, que apresentam restrições de mobilidade nos membros inferiores, mas tenham possibilidade de movimentar as rodas laterais com a força dos braços. O objetivo é apoiar o desenvolvimento da criança, através da exploração espacial e interação mais livre nas brincadeiras.

Foto 2 e 3: Fly Children – Renata Mello

3. Projeto de móveis – Design4inclusion

Dentro de um projeto residencial acessível, o armário suspenso convencional pode ser um entrave para o armazenamento de utensílios e produtos, devido a dificuldade de alcance dos itens localizados nas prateleiras mais elevadas.

Para sanar esse problema, a empresa Design 4 inclusion criou um sistema motorizado para que o morador possa abaixar parte do armário e ter acesso com mais segurança e autonomia aos objetos e mantimentos ali armazenados.

Foto 4, 5 e 6:  Móvel planejado pela Design4inclusion- Renata Mello

Agora é aguardar pela próxima edição da feira em 2019. O que será que vem por ai?

7 Tendências da Revestir 2017

Por: Renata Mello

A Expo Revestir é uma importante feira do setor da construção, por trazer principalmente os lançamentos de revestimentos, louças e metais sanitários. No início de março, em sua 15° edição atraiu diversos profissionais, de design de interiores, arquitetura, engenharia e áreas correlatas para os fóruns temáticos e estandes de grandes fabricantes. 

A arquiteta Renata Mello, assistiu as atividades do Fórum destinado ao “Construtor” e circulou entre as novidades para detectar tendências. As informações de destaque foram:

1. Durante o Fórum, as pesquisas expostas pela empresa Neoway Criactive indicaram que nas principais capitais brasileiras, os novos empreendimentos residenciais apresentaram redução do número de dormitórios e metro quadrado das unidades, alinhado com soluções espaciais mais integradas, sem divisórias entre os ambientes e isso será uma propensão para os próximos lançamentos.

2. A diversidade de cores e materiais tem crescido ano a ano, permitindo maior liberdade de criação dos profissionais. Nessa edição o destaque para as texturas e cores ficaram com as empresas de laminados PertechFórmica® ao apresentarem seus lançamentos de forma criativa e com ampla variedade de acabamentos.

Foto 1 e 2: Stand da Pertech – Renata Mello
Foto 3: Stand da Fórmica® – Renata Mello

3. Uma tendência que permanece muito forte, está ligada ao resgate das raízes, a brasilidade está em alta! A Oca Brasil, empresa focada em revestimentos de madeira, possui uma linha conhecida como tribal com motivos étnicos e geométricos que já ganhou destaque em 2016. Esse ano o lançamento ficou com os painéis ripados de Teca.

Foto 4/5/6: Stand da Oca Brasil – Renata Mello

4. As peças transparentes e com iluminação também se destacam na atualidade. A empresa especializada em acessórios de banheiro Crismoe expôs uma linha de resina poliéster criada pela R. Szpilman Design, que conectada a um sensor de presença se ilumina com a chegada do usuário no ambiente.

Foto 7/8/9: Stand da Crismoe – Renata Mello

5. A tecnologia aplicada a produtos inovadores também é uma constante. Um destaque da feira foi o chuveiro elétrico da Lorenzetti com resistência plana, com duas opções de jato, controle de temperatura e design arrojado. 

Foto 10/11: Stand da Lorenzetti – Renata Mello

6. Outra oferta recorrente da Revestir foram as torneiras e registros acionados por alavanca e mono comando expostas pela Deca, Docol e  Perflex metais. Sem dúvida, produtos mais alinhados a funcionalidade, que atendem aos mais diversos públicos sem perder o refinamento estético. 

Foto 12: Stand da Deca (peça em cobre) – Renata Mello
Foto 13: Stand da Perflex (peça cromada) – Renata Mello
Foto 14: Stand da Docol (peças coloridas) – Renata Mello

7. Mais um destaque, refere-se a ligação com os elementos naturais em contraponto com a tecnologia e vida acelerada das grandes cidades. Nessa reflexão, os revestimentos rústicos da Palimanan trouxeram essa proposta para a decoração.

Foto 15/16: Stand da Palimanan – Renata Mello

Os sete destaques da Revestir, segundo a arquiteta não buscam esgotar os lançamentos e inovações da feira. Grandes empresas abrilhantaram com outras formas e acabamentos, que possibilitarão a concretização de projetos criativos dos designers e arquitetos. Que venham os projetos!

 

Transver: Fotografias registradas além da visão

A Pinacoteca do Estado de São Paulo apresentou as fotografias feitas por pessoas com deficiência visual, resultantes de um curso promovido pelo Museu.

Por: Renata Mello

Foto: Pinacoteca do Estado de São Paulo, Renata Mello

A exposição fotográfica “Transver – Fotografias Feitas Por Pessoas Com Deficiência Visual” da Pinacoteca do Estado de São Paulo, retratou um interesse de quebrar paradigmas e abrir novos horizontes aos participantes com deficiência, demonstrando que mesmo sem a visão, as pessoas podem apreender os espaços a partir de outros órgãos do sentido e com a aplicação de algumas técnicas, realizar seus próprios registros visuais.

O educador João Kulcsár foi o responsável por colaborar no desenvolvimento de novas habilidades aos dez participantes do curso voltado ao registro fotográfico por pessoas com deficiência visual, realizado pelo Núcleo de Ação Educativa e que ocorreu nas instalações do próprio Museu. O intuito foi demonstrar-lhes as possibilidades de definir cenas através dos cheiros, calor e textura dos objetos, por exemplo.

A mostra apresentou os resultados desse interessante trabalho, de forma visual (fotos), tátil (através de imagens em auto relevo e textos em Braille) e sonora (audiodescrições), contribuindo no processo de inclusão da arte para todos os públicos.