Luz na Arquitetura Hospitalar

Por: Renata Mello

DSCN6145.JPG

A arquitetura hospitalar tem se transformado ao longo dos séculos. Antes eram grandes salões com camas lado a lado onde os doentes eram tratados pelos médicos e assistentes. Ao longo do século XX os ambientes de saúde foram se transformando em espaços mais privativos, porém impessoais e frios. Nos últimos 20 anos este cenário tem sofrido novas alterações em decorrência da tecnologia e avanços em pesquisas que comprovam os impactos positivos sobre a recuperação das pessoas em condutas e locais mais humanizados.
Dentro deste panorama, cheios de desafios aos arquitetos que reformam ou desenvolvem novas instalações em edifícios ligados a saúde, foi desenvolvido o livro “Luz na Arquitetura Hospitalar” de autoria da Neide Senzi que discute a importância da iluminação no contexto da humanização destes ambientes. 
O lançamento desta publicação ocorreu dia 11 na loja da Puntoluce Gabriel contando com a palestra da autora e seus convidados Siegbert Zanettini e João Carlos Bross que tiveram participação especial nesta edição.
Como resultado das apresentações realizadas por esta equipe de gabaritados profissionais, é possível dizer que: os novos rumos da arquitetura voltada a saúde estão ligados ao equilíbrio entre a razão e a sensibilidade. O processo construtivo deve ser cada vez mais industrializado e otimizado, enquanto os ambientes resultantes devem emocionar e permitir maior flexibilidade de uso, conforme as necessidades e preferência dos usuários. 
Neste contexto, o projeto de iluminação artificial deverá contemplar a criação de cenas mais aconchegantes e outras mais eficientes a prática de procedimentos. Já a iluminação natural deve ser reinserida dentro destes espaços, inclusive nas unidades de tratamento intensivo. Tal medida, permitirá que o ciclo natural do organismo seja restabelecido, melhorando a vida dos que trabalham e dos pacientes que permanecem grandes períodos dentro dos hospitais.
Os desafios não se encerram na iluminação, uma vez que a telemedicina, a robótica em cirurgias e outras inúmeras novidades estão crescendo dentro desta temática, mas é certo que as condutas e locais serão mais humanizados. O futuro está sendo desenhado, mas os arquitetos deverão estar cada vez mais conectados as novas transformações.
Anúncios

Em foco: Evandro Soares

Por: Renata Mello

DSCN6158_edited

O artista Evandro Soares nasceu no interior da Bahia, em uma cidade pequena e tranquila, longe da dinâmica própria das capitais. Sua primeira experiência em meio aos arranha-céus foi em Goiânia, quando se viu maravilhado com as paisagens e possibilidades culturais encontradas nas grandes cidades.
Por tal encantamento, decidiu se mudar para esta cidade, onde atuou durante alguns anos como serralheiro. Em meio as suas produções na oficina, desenvolvia poucas obras artísticas, até que resolveu migrar em definitivo para o universo das artes.
Sua experiência profissional anterior, permitiu um domínio sobre os metais, que utiliza até hoje para desenvolver seus quadros-esculturas, onde recria espacialmente escadas, janelas e outros elementos da urbe.
Em suas últimas produções, Evandro fez uso também de fotografias de prédios construídos ou em processo de construção. Tendo como pano de fundo estas imagens, extraiu suas linhas compositivas e as retratou no espaço tridimensional através de elementos metálicos em perspectiva.
O resultado destes trabalhos recentes podem ser conferidos na Arte Hall Galeria na exposição “Arquitetura Inventada” até dia 27 de Julho. Vale a pena conferir!
Quer conhecer mais obras deste artista? Acesse o Instagram: @renatamello.blog

Natureza para o bem-estar: Casa Cor SP

Por: Renata Mello

A Casa Cor São Paulo 2018 abre oficialmente para o público e segue até dia 29 de julho. O desafio lançado aos profissionais desta edição foi de criar ambientes baseados no mote “a casa viva”.

A partir de hoje (22), os visitantes podem se inspirar nos 82 espaços baseados na natureza, com cores e elementos que buscam trazer o equilíbrio entre mente, corpo e espírito, resultando na sensação de completo bem-estar.

As proposições deste ano reforçam a ideia da casa como um refúgio e compactuam com a tendência identificada pela conceituada designer holandesa Li Edelkoort que diz:

 “As pessoas buscam por paz em casa já que não há paz fora dela. Sua casa é onde você consegue se retrair quase como uma fortaleza ou um santuário, para contemplar, acalmar a mente e olhar para objetos lindos”.

Para trazer essa tranquilidade aos ambientes internos alguns escritórios e profissionais de arquitetura como: Paola Ribeiro, Fernando Brandão, Camila Bevilacqua, Marcelo Salum, Andrea Teixeira, Fernanda Negrelli, GDL Arquitetura, Jóia Bergamo, Triplex Arquitetura, Roberto Migotto, MN Arquitetura e interiores, Très Arquitetura, Suíte Arquitetos, entre tantos outros, apostaram no uso da natureza viva associada a elementos em tons de verde e/ou terracota.

Outro recurso amplamente adotado está na utilização de elementos decorativos feitos artesanalmente ou que possuam forte ligação com a história de um lugar ou comunidade.

Cabe destacar ainda que o espaço chave neste processo de relaxamento é o banheiro. Os projetados para a Casa Cor estão integrados aos jardins externos, possuindo vistas harmoniosas e que transmitem paz.

Abaixo confira alguns destaques que entram na atmosfera de promover o bem-estar:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Renata Mello, 2018

+ fotos no Instagram: @renatamello.blog

Design Week de Milão: Tendências

Slide1

Por: Renata Mello

A badalada Design Week de Milão ocorreu entre os dias 17 a 22 de Abril e atraiu  pessoas de todos os continentes que foram fazer negócios, identificar novas tecnologias, trocar experiências e captar as tendências propostas pelos renomados designers e arquitetos. Estes profissionais participaram das inúmeras instalações, dentro do salão do móvel e nos eventos simultâneos espalhados pela capital milanesa.

Para identificar as novidades deste evento, Renata assistiu palestras sobre os destaques de Milão com as jornalistas responsáveis pela edição da revista Casa Claudia, Eliana Sanches e Denise Gustavsen e outra com a arquiteta Marília Pellegrini. Para somar as suas fontes, leu a edição da revista Casa Vogue sobre o evento. 

O que se destaca em todos os discursos é que cada vez mais os ambientes, objetos e acabamentos estão sendo elaborados para proporcionar experiências únicas, através de instalações sensoriais.  

Somado a este cenário, as cores quentes como os vermelhos e os alaranjados foram aplicadas juntas ou associadas aos tons de violeta. Outra combinação predominante foi o terracota com o verde estando em quase todos os lugares. Já o rosê foi considerado a cor neutra do momento. 

Para contrapor com as matizes explosivas, os tons pastéis estiveram presentes em peças com efeito degradê compondo os acabamentos de mobiliários, cortinas e peças de design. 

Esses tons mais serenos também predominaram nos ambientes internos que foram concebidos para estimular paz e quietude ao espírito, convidando as pessoas a momentos de relaxamento em meio ao caos vivenciado em suas rotinas.

Outra tendência que se manteve forte foi a crescente consciência ecológica, a partir do reuso de objetos e materiais. Um forte exemplo esteve presente na 3D Housing 05, casa impressa em 3D, do arquiteto Massimiliano Locatelli, na qual foram utilizados restos de demolição como matéria prima.

Além dos materiais ecológicos, destacou-se também o uso crescente de vidros e espelhos com alta tecnologia e com efeitos plásticos variados que poderão enriquecer ainda mais os ambientes.

Em meio a tantos lançamentos e proposições, mais uma boa notícia: o Brasil se sobressaiu na semana por sua crescente produção no design de qualidade. Um excelente indicador para o mercado nacional. Que siga crescendo e estimulando novas criações!

Tapetes brilham na décor 2018

Por: Renata Mello

DSCN5790

Foto: Renata Mello, 2018 – Vitrine da loja Botteh Handmade Rugs

Você sabia que um dos destaques da semana do Design em Milão foi o uso de tapetes nas paredes? Sim, eles voltaram fortemente para abrilhantar na decoração residencial, variando em cores, texturas e formas.

Para demonstrar essa tendência na prática, a loja Botteh convidou a arquiteta Marília Pellegrini que em parceria com o designer Edson Nunes ambientaram a vitrine desta temporada. O espaço foi concebido com tapetes produzidos manualmente no Nepal e na Índia, contextualizados com móveis e peças nacionais, confecionados com fibras naturais extraídas da bananeira e do tucum.

Na foto acima, é possível conferir o resultado final desta composição que orquestra várias peças artesanais que trazem a este cenário: força, história e identidade. Vale a pena conferir!

SP Arte 2018: uma livre narrativa

Por: Renata Mello
A SP Arte 2018 está ocorrendo na Bienal do Ibirapuera até dia 15 de Abril. O evento conta com a participação de galerias nacionais e internacionais que juntas somam mais de 140 estabelecimentos voltados as artes visuais, apresentando artistas consagrados e jovens talentos.
Renata esteve na abertura do evento e conferiu as novidades deste ano. A partir desta experiência, criou uma livre narrativa utilizando de seus registros para convidar o leitor a uma reflexão sobre as relações entre a natureza, o homem e as cidades e como algumas dessas ligações podem gerar conexões desarmônicas que criam tensões e crises. Em contrapartida é possível fazer ligações harmoniosas, mais positivas e equilibradas, criando desta forma uma nova realidade.
Partindo da premissa que a arte é um reflexo da sociedade na qual está inserida, a autora convida o expectador a refletir sobre as imagens coletadas.
Fotos: Renata Mello, 2018
Obra 1: Hugo Mendes – Galeria Ybakatu / Obra 2: Roland Gebhardt – Karla Osorio Galeria / Obra 3: Romy Pocztaruk – Zipper Galeria / Obra 4: Jorge Mayet – Galeria Inox, Rio de Janeiro / Obra 5: Janaina Mello Landini – Zipper Galeria / Obra 6: Gabriel Wickbold – Gabriel Wickbold Studio and Gallery, São Paulo / Obra 7: Vini Parisi – Luis Maluf Art Gallery, São Paulo / Obra 8: Toz- Movimento Arte Contemporânea, Rio de Janeiro / Obra 9: Matias Mesquita – Zipper Galeria / Obra 10: Hidelbrando de Castro – Lurixs: Arte Contemporânea / Obra 11: Evandro Soares – Arte Hall Galeria de Arte, São Paulo / Obra 12: Bruno Faria – Periscópio Arte Contemporânea, Belo Horizonte / Obra 13: Ai Weiwei – Neugerriemschneider, Berlin / Obra 14: Wesley Duke Lee – Bergamin & Gomide, São Paulo / Obra 15: Horácio Frutuoso – Balcony Gallery, Lisboa / Obra 16: Horácio Frutuoso – Balcony Gallery, Lisboa / Obra 17: Paulo Aquarone – Andrea Rehder Arte Contemporânea / Obra 18: Andrea Rehder Arte Contemporânea / Obra 19: Ignacio Gatica – Casa Nova Arte e Cultura Contemporânea / Obra 20: Simone Cupello – Central Galeria, São Paulo / Obra 21: Simone Cupello – Central Galeria, São Paulo / Obra 22: Não identificado / Obra 23: Martinho Patrício – Galeria Superfície, São Paulo / Obra 24: Andrea Rehder Arte Contemporânea / Obra 25: Andy Warhol – Galeria Houssein Jarouche / Obra 26: Alê Jordão – Choque cultural Galeria, São Paulo / Obra 27: Alê Jordão – Choque cultural Galeria, São Paulo / Obra 28: Juliana Stein – Sim Galeria, Curitiba e São Paulo/ Obra 29: Não identificado / Obra 30: Horácio Frutuoso – Balcony Gallery, Lisboa / Obra 31: Almandrade – Baró Galeria, São Paulo / Obra 32: Túlio Pinto – Baró Galeria / Obra 33: Paul Setúbal e Dora Smék – Andrea Rehder Arte Contemporânea / Obra 34: Florian Raiss – Galeria Lume / Obra 35: Florian Raiss – Galeria Lume / Obra 36: Gustavo Rezende – Fernando Pradilla, Bogotá / Obra 37: Gustavo Rezende – Fernando Pradilla, Bogotá / Obra 38: Giovani Caramello- Oma Galeria, São Bernardo do Campo / Obra 39: Giovani Caramello- Oma Galeria, São Bernardo do Campo / Obra 40: Fundação Oscar Niemeyer em parceria com a Etel / Obra 41: Flávio Rossi – Luis Maluf Art Gallery, São Paulo / Obra 42: Vermelho Steam, João Cunha & Crespo – Luis Maluf Art Gallery, São Paulo / Obra 43: Ariel Orozco – Licenciado, Cidade do México / Obra 44: Roberto Magalhães – Referência Galeria de Arte, Brasília / Obra 45: Almandrade – Karla Osorio Galeria / Obra 46: Abidiel Vicente – Galeria Houssein Jarouche / Obra 47: Claudia Melli – Galeria Eduardo Fernandes e Kubikgallery, Porto / Obra 48: Ana Neute – Por Itens, São Paulo / Obra 49: Os Gêmeos – Fortes D´Aloia & Gabriel, São Paulo e Rio de Janeiro.
Para saber mais das obras e artistas, acesse o site das galerias ou fornecedores:
Ana Neute – Por Itens
Andrea Rehder Arte Contemporânea
Arte Hall Galeria de Arte
Balcony Gallery
Baró Galeria
Bergamin & Gomide
Casa Nova Arte e Cultura Contemporânea
Central Galeria
Etel
Fernando Pradilla
Fortes D´Aloia & Gabriel
Gabriel Wickbold Studio and Gallery
Galeria Eduardo Fernandes
Galeria Houssein Jarouche
Galeria Inox
Galeria Lume
Galeria Superfície
Galeria Ybakatu
Karla Osorio Galeria

Licenciado gallery
Luis Maluf Art Gallery
Lurixs: Arte Contemporânea
Movimento Arte Contemporânea
Neugerriemschneider
Oma Galeria
Choque cultural Galeria
Periscópio Arte Contemporânea
Referência Galeria de Arte
Zipper Galeria

Em foco: Paula Clerman

Por: Renata Mello
DSCN5094 a
Foto: Renata Mello, 2018 – Obra de Paula Clerman
A fotógrafa e artista paulistana Paula Clerman é uma profissional que tem captado cenas do cotidiano lisbonense a partir de uma nova óptica. De forma tranquila, ela caminha pela cidade portuguesa com o olhar aguçado, tentando entender as cores, as linhas, as formas e por vezes o caos encontrado nos bairros ricos em história.
Essa investigação espacial da cidade, culminou na exposição Tecitura do Espaço que pode ser conferida na Arte Hall Galeria até dia 27 de Abril. Os trabalhos apresentados resultam de uma abstração compositiva que agrega diversos fragmentos da cidade sem caracterizá-los. Paula reconecta os cenários a partir das suas linhas compositivas e gera algo novo para o expectador. Vale a pena conferir!
+ fotos no instagram: @renatamello.blog