Design Week de Milão: Tendências

Slide1

Por: Renata Mello

A badalada Design Week de Milão ocorreu entre os dias 17 a 22 de Abril e atraiu  pessoas de todos os continentes que foram fazer negócios, identificar novas tecnologias, trocar experiências e captar as tendências propostas pelos renomados designers e arquitetos. Estes profissionais participaram das inúmeras instalações, dentro do salão do móvel e nos eventos simultâneos espalhados pela capital milanesa.

Para identificar as novidades deste evento, Renata assistiu palestras sobre os destaques de Milão com as jornalistas responsáveis pela edição da revista Casa Claudia, Eliana Sanches e Denise Gustavsen e outra com a arquiteta Marília Pellegrini. Para somar as suas fontes, leu a edição da revista Casa Vogue sobre o evento. 

O que se destaca em todos os discursos é que cada vez mais os ambientes, objetos e acabamentos estão sendo elaborados para proporcionar experiências únicas, através de instalações sensoriais.  

Somado a este cenário, as cores quentes como os vermelhos e os alaranjados foram aplicadas juntas ou associadas aos tons de violeta. Outra combinação predominante foi o terracota com o verde estando em quase todos os lugares. Já o rosê foi considerado a cor neutra do momento. 

Para contrapor com as matizes explosivas, os tons pastéis estiveram presentes em peças com efeito degradê compondo os acabamentos de mobiliários, cortinas e peças de design. 

Esses tons mais serenos também predominaram nos ambientes internos que foram concebidos para estimular paz e quietude ao espírito, convidando as pessoas a momentos de relaxamento em meio ao caos vivenciado em suas rotinas.

Outra tendência que se manteve forte foi a crescente consciência ecológica, a partir do reuso de objetos e materiais. Um forte exemplo esteve presente na 3D Housing 05, casa impressa em 3D, do arquiteto Massimiliano Locatelli, na qual foram utilizados restos de demolição como matéria prima.

Além dos materiais ecológicos, destacou-se também o uso crescente de vidros e espelhos com alta tecnologia e com efeitos plásticos variados que poderão enriquecer ainda mais os ambientes.

Em meio a tantos lançamentos e proposições, mais uma boa notícia: o Brasil se sobressaiu na semana por sua crescente produção no design de qualidade. Um excelente indicador para o mercado nacional. Que siga crescendo e estimulando novas criações!

Anúncios

7 Tendências da Revestir 2017

Por: Renata Mello

A Expo Revestir é uma importante feira do setor da construção, por trazer principalmente os lançamentos de revestimentos, louças e metais sanitários. No início de março, em sua 15° edição atraiu diversos profissionais, de design de interiores, arquitetura, engenharia e áreas correlatas para os fóruns temáticos e estandes de grandes fabricantes. 

A arquiteta Renata Mello, assistiu as atividades do Fórum destinado ao “Construtor” e circulou entre as novidades para detectar tendências. As informações de destaque foram:

1. Durante o Fórum, as pesquisas expostas pela empresa Neoway Criactive indicaram que nas principais capitais brasileiras, os novos empreendimentos residenciais apresentaram redução do número de dormitórios e metro quadrado das unidades, alinhado com soluções espaciais mais integradas, sem divisórias entre os ambientes e isso será uma propensão para os próximos lançamentos.

2. A diversidade de cores e materiais tem crescido ano a ano, permitindo maior liberdade de criação dos profissionais. Nessa edição o destaque para as texturas e cores ficaram com as empresas de laminados PertechFórmica® ao apresentarem seus lançamentos de forma criativa e com ampla variedade de acabamentos.

Foto 1 e 2: Stand da Pertech – Renata Mello
Foto 3: Stand da Fórmica® – Renata Mello

3. Uma tendência que permanece muito forte, está ligada ao resgate das raízes, a brasilidade está em alta! A Oca Brasil, empresa focada em revestimentos de madeira, possui uma linha conhecida como tribal com motivos étnicos e geométricos que já ganhou destaque em 2016. Esse ano o lançamento ficou com os painéis ripados de Teca.

Foto 4/5/6: Stand da Oca Brasil – Renata Mello

4. As peças transparentes e com iluminação também se destacam na atualidade. A empresa especializada em acessórios de banheiro Crismoe expôs uma linha de resina poliéster criada pela R. Szpilman Design, que conectada a um sensor de presença se ilumina com a chegada do usuário no ambiente.

Foto 7/8/9: Stand da Crismoe – Renata Mello

5. A tecnologia aplicada a produtos inovadores também é uma constante. Um destaque da feira foi o chuveiro elétrico da Lorenzetti com resistência plana, com duas opções de jato, controle de temperatura e design arrojado. 

Foto 10/11: Stand da Lorenzetti – Renata Mello

6. Outra oferta recorrente da Revestir foram as torneiras e registros acionados por alavanca e mono comando expostas pela Deca, Docol e  Perflex metais. Sem dúvida, produtos mais alinhados a funcionalidade, que atendem aos mais diversos públicos sem perder o refinamento estético. 

Foto 12: Stand da Deca (peça em cobre) – Renata Mello
Foto 13: Stand da Perflex (peça cromada) – Renata Mello
Foto 14: Stand da Docol (peças coloridas) – Renata Mello

7. Mais um destaque, refere-se a ligação com os elementos naturais em contraponto com a tecnologia e vida acelerada das grandes cidades. Nessa reflexão, os revestimentos rústicos da Palimanan trouxeram essa proposta para a decoração.

Foto 15/16: Stand da Palimanan – Renata Mello

Os sete destaques da Revestir, segundo a arquiteta não buscam esgotar os lançamentos e inovações da feira. Grandes empresas abrilhantaram com outras formas e acabamentos, que possibilitarão a concretização de projetos criativos dos designers e arquitetos. Que venham os projetos!

 

Sustentabilidade na Habitação Social no Brasil: Conjunto Maravilha em Fortaleza

Artigo apresentado no 3 ° Congresso Internacional – Sustentabilidade e Habitação de Interesse Social em 2014

Sustentabilidade na Habitação Social no Brasil: Conjunto Maravilha em Fortaleza

Autoras:

Maria Augusta Justi Pisani
Profa. Dra. PPPG FAU UPM, Mackenzie, Brasil. E-mail: augustajp@gmail.com

Gilda Collet Bruna
Profa. Dra. PPPG FAU UPM, Mackenzie, Brasil. E-mail: gildacbruna@gmail.com

Renata Lima de Mello
Profa. Me. FAU FIAM FAAM, Brasil. E-mail: renatamello@bioarq.com.br

Erika Ciconelli de Figueiredo
Profa. Me. FAU Mackenzie, Brasil. E-mail: erikadfr@gmail.com

Resumo: A avaliação da sustentabilidade em projetos de habitação de interesse social no Brasil é relevante tendo em vista que os edifícios consomem aproximadamente a metade da energia gerada no planeta e o déficit habitacional brasileiro passa dos seis milhões de unidades. Este artigo é parte da produção do projeto de pesquisa “Habitação Social no Brasil: projetos e sustentabilidade no século XXI” da Faculdade de Arquitetura da Universidade Presbiteriana Mackenzie, com fomento do CNPq. O objetivo deste trabalho é analisar a sustentabilidade do Conjunto Maravilha na cidade de Fortaleza, promovido pela Fundação de Desenvolvimento Habitacional de Fortaleza, a partir dos quesitos apontados em manuais de avaliação e certificação de projetos e construções sustentáveis. O método aplicado compreendeu as etapas de: levantamento de dados secundários, levantamentos de campo com a aplicação de roteiro que contemple os quesitos de: qualidade urbana; projeto e conforto; eficiência energética; conservação de recursos materiais; gestão da água e práticas sociais. Esse roteiro foi elaborado a partir do Selo Casa Azul da Caixa Econômica Federal. Os resultados desta pesquisa demonstram que: há possibilidades de se produzir habitações de interesse social, contanto que o conhecimento técnico e científico disponível no Brasil seja aplicado desde a fase de projeto. Os
resultados desta pesquisa serão divulgados, juntamente com os demais conjuntos habitacionais analisados pelo grupo de pesquisa, para que seus parâmetros alimentem novas propostas projetuais de habitação social mais sustentável.

Palavras-chave: Habitação Social; Sustentabilidade na habitação; Conjunto Maravilha.

Click para ler: Artigo completo

Bibliografia:

PISANI, M.A.J.; BRUNA, G.C.; MELLO, R.L.; FIGUEIREDO, E. C.. Sustentabilidade na Habitação Social no Brasil: Conjunto Maravilha em Fortaleza. In: 3 ° CONGRESSO INTERNACIONAL – SUSTENTABILIDADE E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL , 2014, Porto Alegre/RS. Anais eletrônicos… Porto Alegre: 3 ° Congresso Internacional – Sustentabilidade e Habitação de Interesse Social, 2014.

Croatá Laguna Ecopark: Smart City

No interior do Ceará está sendo construída uma cidade inteligente e sustentável contemplando habitações de interesse social dentro dos valores do Minha Casa Minha Vida

Por: Renata Mello 

A futura cidade brasileira inteligente e sustentável foi batizada como Croatá Laguna Ecopark e está localizada em Croatá, interior do Ceará, em uma posição estratégica, próxima do Porto do Pecém, Complexo Industrial e a 55 Km de Fortaleza.

Localização do empreendimento
Fonte: https://vimeo.com/108733232. Acesso em 19 Jan/ 2016. 

Devido ao potencial da região, principalmente do Porto, que se prevê ser o segundo maior do país em movimentação de cargas até 2025, atraiu o interesse de investidores italianos, que decidiram construir um projeto inovador no estado cearense.

A empresa Planet Idea de Turim recebeu o desafio de conceber o projeto arquitetônico e urbanístico para uma área de 327,77 hectares, onde foram implantados 15% de área verde, 5% de uso institucional, 5% de interesse social, 20% de viário, além de áreas para fins industriais, residenciais e comerciais.

Setorização da cidade
Fonte: https://vimeo.com/108733232. Acesso em 19 Jan/ 2016. Modificado pelo autor.

 O projeto situado em uma área periférica, foi planejado para possuir toda a infraestrutura de água, luz, energia, transporte, além de usos distintos do território e tecnologias para dar suporte aos moradores da região, sempre dentro dos preceitos da sustentabilidade.

Dentre as inovações previstas destacam-se:

1.       Habitações de Interesse Social que atendam as premissas do programa Minha Casa Minha Vida e que disponham de qualidade arquitetônica.

2.       Planejamento urbano focado na diversidade de usos, favorecendo para o encurtamento das viagens, estimulando os deslocamentos a pé e por bicicleta, com o intuito de minimizar os impactos ambientais e melhorar a qualidade de vida.

3.       Reaproveitamento das águas pluviais e de esgoto.

4.       Praças contendo equipamentos esportivos para gerar energia.

5.       Gestão da iluminação pública computadorizada.

6.       Rede elétrica subterrânea.

7.       Otimização das necessidades energéticas para os edifícios.

8.       Aplicativo para smartphones destinado aos moradores da cidade inteligente, possibilitando uma interação local entre as pessoas. Objetiva-se também o desenvolvimento de programas sociais, como hortas urbanas, bibliotecas digitais, entre outras.

9.       Empréstimos de bicicletas e motos, a fim de estimular o espírito comunitário.

10.   Vias dimensionadas e segregadas para atender adequadamente os pedestres, veículos e bicicletas.

Vista do Boulevard
Fonte: https://vimeo.com/108733232. Acesso em 19 Jan/ 2016. Modificado pelo autor.

As premissas expostas para essa cidade trazem intrinsicamente a aplicação da sustentabilidade nas esferas sociais, energéticas, econômicas e ambientais, implantadas não somente na arquitetura, mas também em práticas comunitárias. Outro aspecto relevante, refere-se à inserção da habitação social conectada a todos os setores, como comércios e serviços, além da preocupação com a qualidade do projeto das casas ofertadas, impactando positivamente na harmonia do conjunto arquitetônico e na qualidade de vida dos moradores. 

Bibliografia:

https://vimeo.com/108733232. Acesso em 19 Jan/ 2016.

COMUNITÀ ITALIANA. Rio de Janeiro: Editora Comunità LTDA, n. 206, 10 set. 2015.p. 20-22.