Em foco: Beatriz Milhazes

Por: Renata Mello

20180502_161024

Foto: Renata Mello, 2018 – Extraída da capa do DVD “Arquitetura da Cor: Beatriz Milhazes

Beatriz Milhazes, artista brasileira de destaque internacional, possui uma obra muito consistente. Ao longo de sua trajetória profissional, desenvolve trabalhos com resultados plásticos inconfundíveis, a partir de composições formais sobrepostas e cores marcantes.

Suas pinturas abstratas resultam de uma mescla de referenciais. Suas fontes de inspiração estão pautadas principalmente nas belezas naturais, na cultura popular brasileira, com grande destaque ao carnaval carioca e produções de grandes artistas como Mondrian e Matisse.

Durante o processo de composição cromática e formal de suas obras, Beatriz atua como um regente que comanda sua orquestra, como resultado entrega aos espectadores obras que esbanjam cores e que produzem um efeito visual que aguça os sentidos. Sem dúvida, uma artista singular!

Para conhecer mais sobre sua biografia e produções, recomenda-se assistir ao documentário “Arquitetura da Cor: Beatriz Milhazes” disponível em algumas livrarias. Esta obra cinematográfica explicita seu processo criativo e apresenta também o ateliê da artista. Vale a pena conferir!

Anúncios

Gustavo Rosa: Instituto

Por: Renata Mello

O artista plástico Gustavo Rosa, conhecido por seu valoroso trabalho no contexto da arte brasileira devido as composições cromáticas vibrantes, ineditismo na forma humorada e irreverente de expressar personagens e temas do cotidiano, faleceu em 2013.

Para perpetuar suas obras e sua memória, os familiares decidiram criar em 2016, um Instituto que leva o seu nome. A sede localizada no Jardim Paulista, abriga a antiga residência-ateliê do artista. 

O ambiente dialoga diretamente com as produções de Gustavo, apresentando um clima leve, alegre e descontraído. Ao longo da visitação é possível conhecer as diversas fases produtivas do artista através de suas pinturas e esculturas. 

Para conhecer mais, veja algumas obras selecionadas:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Renata Mello, 2018

O Instituto possui inúmeras ações educativas e sociais para trazer a arte ao grande público, estando aberto de segunda a sexta das 9:00hs às 18:00hs e todo primeiro sábado do mês (11-15h). Vale a pena conferir!

 

Artista: Julio Le Parc

Por: Renata Mello
Julio Le Parc, importante artista argentino, neste ano completa 90 anos. Suas produções apresentam diversos tipos de materiais com propriedades translúcidas ou sólidas, associadas ao uso da cor, da luz e do movimento.
Esta mescla de materiais e efeitos, resultam em quadros e instalações que convidam o expectador a interagir e apreender do incrível mundo novo proposto, instigando assim, a criança curiosa guardada no interior de cada um, que se surpreende ao descobrir algo inusitado a cada instante.
Confira alguns registros feitos na exposição “Julio Le Parc: Da forma à ação“, que se encontra no Instituto Tomie Ohtake (SP) até 25 de fevereiro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Renata Mello, 2018

20 Doxx Art Gallery 17

Por: Renata Mello

A Doxx Art Gallery recém inaugurada na Vila Madalena traz artistas com histórias de vida distintas e com expressões muito particulares, mas que possuem como denominadores comuns as cores vibrantes e as temáticas próprias da Street Art e da Arte Contemporânea. 

Para abrilhantar a inauguração deste novo pólo de arte de São Paulo, o espaço apresenta trabalhos de 7 renomados artistas brasileiros: Humberto Furtado, Marcio Ficko, Leiga, Lucio Carvalho, Nove, Shima, Ricardo AKN, que podem ser conferidos até dia 28 de Janeiro. 

Veja algumas obras selecionadas por Renata:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Renata Mello

Iuri Sarmento: Um artista singular

Por: Renata Mello

O artista mineiro Iuri Sarmento possui uma obra singular. Seus trabalhos refletem suas paixões pela pintura, moda, cerâmica e porcelana. Com muita habilidade, transita por todas estas áreas para compor suas peças, usando cores e formas muito brasileiras.

Durante sua formação em artes plásticas, buscou aprender serigrafia e litogravura para expressar composições criativas inspiradas nas estampas das vestimentas. Interessante observar que até hoje, suas telas retratam através de cuidadosas pinceladas, desenhos e texturas típicas de tecidos.

Além disso, o artista possui especial apreço pelos azulejos europeus. Este fascínio nasceu durante o período em que residiu na Bahia e o instigou a produzir quadros compostos por azulejos desenhados por ele. 

Já sua afeição pela porcelana veio posteriormente, motivando-o a buscar antiquários para adquirir peças exclusivas. No entanto, seu espírito criativo o levou a quebrar cada uma delas, para depois reconstruí-las com uma nova configuração.

Essa mescla de interesses só poderia resultar em criações únicas e expressivas, que podem ser conhecidas a seguir:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Renata Mello, 2017

Para quem tem interesse em conferir os trabalhos do artista, basta visitar a exposição “Quimera Tropical” até 21 de Dezembro na Arte Hall Galeria, localizada em São Paulo.

Naji Ayoub: Pintura e Expressão

Por: Renata Mello

O empresário e pintor libanês Naji Ayoub recebeu em sua casa-ateliê na última quinta-feira (8), arquitetos e amantes da pintura para conhecerem seu refúgio urbano e suas últimas produções.

As obras expostas retratam a alma livre e ao mesmo tempo intensa deste artista, que encontrou sua paixão pelas cores desde muito cedo. Ao longo dos anos experimentou muitas formas de expressão em seus quadros, identificando-se com o estilo abstrato. Suas telas variam entre pinceladas mais soltas ou precisas, dependendo de sua intenção.

O que se destaca ao observar seus últimos trabalhos é a luminosidade obtida através do uso do branco e pela adoção principalmente de tons vibrantes de azuis e verdes. Os amarelos e vermelhos são utilizados com mais moderação, mas equilibram suas composições. O registro desta visita, você confere a seguir:

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Pintura: Dezoito

Renata Mello pinta quadros com tinta óleo desde os 12 anos. Começou com o estilo impressionista, passou para a pintura clássica e posteriormente experimentou linguagens mais livres como a da abstração.

Em 1998 foi aluna do pintor Élon Brasil, artista conhecido por retratar os negros e os índios. Nessa ocasião, Renata teve oportunidade de descobrir várias técnicas de pintura, dentre elas, texturizar a tela com cola e gesso, para posteriormente aplicar a tinta a óleo.

Uma experiência inesquecível que viveu nesse período, foi pintar um quadro a luz de velas. O fato de reduzir a iluminação, fez aguçar outros sentidos e permitiu ampliar a liberdade de expressão, aplicando as cores apenas com as mãos, sem fazer uso de pincéis.

O resultado final foi uma obra intensa, marcante e explosiva, se tornando a obra preferida de Renata. Seu nome, “DEZOITO”.

DSCN0680 b.jpg

Obra: Dezoito
Técnica: Óleo sobre tela
Artista: Renata Lima de Mello